Tamanho da fonte

09/09/2021 - Editado há 1 mês

"Consultório nas Ruas" realiza atendimentos e exames com ênfase na campanha Setembro Amarelo

Por: Vilsemar Alves
Foto: Cedida*

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promoveu na noite desta quarta-feira (8) mais uma edição do projeto “Consultório nas Ruas”, que levou atendimento médico e  exames à população em situação de rua na região central de Mossoró.

Foram realizados exames como averiguação da pressão arterial, testes de glicemia, consultas com médicos e psiquiatra. Este último atendeu seguindo a ideia da SMS de reforçar à atenção da saúde pública para evitar suicídios. Trata-se de um reforço na área da saúde mental,  dentro da campanha “Setembro Amarelo”.

 Segundo a secretária municipal de Saúde, Morgana Dantas, o projeto possui grande importância por levar saúde à população socialmente vulnerável e que possui uma grande dificuldade de acesso aos atendimentos feitos da maneira convencional nas unidades de saúde.

“Este projeto é mais um braço da Secretaria Municipal de Saúde, onde é oferecido atendimento aos moradores em situação de rua. Neste mês, temos todo um engajamento para identificar, apoiar e acolher as pessoas mais vulneráveis e propensas à prática do suicídio e evitar que elas cometam tal ato, então, estamos oferecendo o suporte de médicos residentes da área de psiquiatria e profissionais de psicologia, aqui mesmo na praça da Catedral de Santa Luzia”, disse Morgana ao lembrar a atuação do projeto durante o “Setembro Amarelo”.

A coordenadora do “Consultório nas Ruas”, Elizaíde Dantas, já sabe que o projeto representa para quem perambula por ruas e praças da cidade, uma oportunidade de acompanhamento e de atenção à saúde. “Sabemos que para muitas dessas pessoas em situação de rua a vida é difícil, muitos não possuem documentação para um registro mais formal e isso, para muitos deles, impossibilita uma ida ao médico em um posto de saúde. Daí a importância do projeto que vai atrás dessas pessoas e oportuniza consultas, exames, vacinas, entre outras ações”, explica a coordenadora.

 



Deixe seu comentário


0 Comentário(s)